Comerciais de Natal Zaffari

Todos os finais de ano o Grupo Zaffari, rede gaúcha de supermercados, repete a receita usando e abusando da emoção para encantar seus clientes com o comercial de Natal. Os filmes são tão bons que resolvi reunir todos eles em um só post.

Não consegui identificar os anos de todos os comerciais, portanto, aceito ajuda caso você saiba me ajudar. 🙂 A conta – há muitos anos – é da agência Matriz, liderada pelo brilhante Roberto Philomena.

Leia também: Vivo: um jingle que pega bem

Comerciais de Natal Zaffari

O Jardineiro e a menina – 2013

O filme conta a história da amizade de um jardineiro e uma menina que está doente. Para agradá-la, ele começa a fazer desenhos no chão da praça que cuida. A música, especialmente feita para este comercial, é da A9 Áudio e quem canta é Gabriel Mielnik.

Natal em Família. O melhor Natal do mundo.

A história que deve ter emocionado muitas mães, conta a história do filho que foi morar no exterior e vai passar o Natal longe de casa. A música do filme é a famosa “No dia em que eu saí de casa”, de Joel Marques (não, não foi Zezé di Camargo e Luciano que escreveram a letra).

Anjos – A Paz

Fico assim sem vocês

Luzinhas de Natal

Papai Noel

Mutirão – Construção Igreja

Altos de Natal

Somente abraços podem voar

Qual comercial você gostou mais? Compartilhe com seus amigos clicando no botão abaixo.

botao-share-280

  • Igor Freiberger

    O estilo dos comerciais de Natal do Zaffari foi criado nos anos 80 pelo Luiz Coronel, proprietário da agência Exitus, que então tinha a conta da rede de supermercados. Coronel estabeleceu um estilo inconfundível, com peças de duração longa contando histórias evocativas com tomadas lentas e sem diálogos. A temática enfatizava amor, solidariedade e fé. Alguns tinham uma mensagem final, lida em off. A trilha sonora sempre desempenhou papel primordial, sendo que o próprio Coronel compôs algumas delas, como a de Altos de Natal. A fotografia etérea completava a fórmula.

    Em meio ao ritmo intenso e ruidoso dos anúncios de 30s, esses comerciais imediatamente se tornaram um hiato de qualidade e conquistaram enorme sucesso. Não sei exatamente quantos ou quais, mas receberam muito prêmios nacionais e internacionais. Viraram tradição, que foi continuada pela agência Matriz, da qual Coronel foi um dos três fundadores. Nos anos 2000, ele se afastou da criação, mas o estilo foi continuado pelos demais profissionais da Matriz. As histórias mudaram um pouco, enfatizando relações humanas, quase sempre com crianças. Mesmo deixando de lado as referências sacras, os comerciais mantiveram seu estilo peculiar, muito diferente do restante da publicidade natalina, essencialmente medíocre.

    Hoje, vemos a influência desse estilo em outras campanhas, com algumas empresas criando comerciais diferenciados para o Natal – O Boticário é um exemplo.

    Mutirão é da metade dos anos 80. A trilha é o Dueto das flores, da ópera Lakmé, de Léo Delibes. A fotografia lembra muito o filme Dias do paraíso, de Terrence Malick (1978).

    O belo Os anjos é de 1999 e foi claramente influenciado por Asas do desejo (1987) e Tão longe, tão perto (1993), ambos filmes de Win Wenders. A trilha remete à Gymnopédie nº 1, de Erik Satie.

    Natal em família é de 2011. Altos de Natal é do início dos anos 90. Os demais são da primeira década do século.

  • Homem Sapiens

    Qual o nome da trilha sonora do comercial do Zaffari “Papai Noel” de 2013? Alguém sabe? Lindo violino, cello e piano…

  • Fabiane Sabbadini

    Tinha um destes comerciais de Natal do Zaffari, creio que um dos primeiros, com a música Natalício, mostrando um rancho bem simples e lá se elaborando uma representação do nascimento de Cristo, com as personagens trajando indumentária gaúcha. Era muito bonito.