Argentinos são novas “vítimas” da Skol

Depois dos ingleses, dos franceses e dos italianos, chegou a hora da Skol debochar dos argentinos só para dar uma alimentada na rivalidade que aquece a Copa do Mundo 2014.
No novo filme da campanha “Skol. Bem-Vindos à nossa Redondeza”, torcedores brasileiros convidam os “hermanos” para uma “festinha” que não termina nada bem.

Leia também: Skol satiriza os perrengues do carnaval

Cantando uma música que diz que ninguém conhece o hino da Argentina, os brasileiros enchem uma casa com os convidados especiais, trancam a porta e os enviam pelos ares de volta para casa.

Argentinos, bem-vindos à nossa redondeza

Veja a letra da música da Skol para os argentinos

Ninguém conhece o hino da Argentina
Então decidimos inventar
Qualquer coisa que tivesse rima
E convidamos os “hermanos” pra cantar
Que vengan!
Nossa casa está aberta para entrares
E te sentires em Buenos Aires

botao-share-280

  • Hey, F/Nazca, que tal um pouquinho de variedade temática? Nossa inteligência agradece.

  • Aarão Miranda

    Esta propaganda é ridicula e cria animosidade com outros povos. Será que não há ninguém mais inteligente no setor de marketing/publicidade para inventar outra forma de chamar a atenção para vender cerveja na época da copa? utilizar a rivalidade apra aumentar violência é triste e preocupante. E um ato xenofóbico.

  • Denise Gomes

    Aff, CHATICE ETERNA dos politicamente corretos! Que coisa chata! Pare de implicar com a propaganda. É sim uma propaganda criativa e não, absolutamente NÃO apela para a xenofobia, só trata de maneira cômica a rivalidade entre os dois países COM RELAÇÃO AO FUTEBOL, NÃO COM RELAÇÃO AOS PAÍSES! Pare de chatice, curta a propaganda, que é sim de muito bom gosto.

  • emmily pinheiro

    Chatice viu, sabe de nada, o comercial ficou muito bom e se o Brasil e a Argentina são rivais não vejo nada de mais fazerem um comercial desse.

  • Kleber Gustavo Balbino Vieira

    Se fizessem com o hino brasileiro teríamos um monte de idiotas reclamando. Falta de respeito de um país sem capacidade para desenvolver boas ideias.